Após sete meses, o pai que reside no Maranhão, cobra resposta da Policia Civil da Paraíba sobre morte do jovem Bryan Guilherme

  Após sete meses da morte do deficiente mental, Bryan Guilherme da Silva, 26 anos, que morava no Valentina de Figueiredo e desapareceu no dia 7 de dezembro de 2021, após sair para jogar o lixo. 

Testemunhas informaram a família na época do desaparecimento, que ele tinha sido visto na companhia de algumas pessoas próximo ao giradouro da Perimetral Sul, de onde desapareceu, sendo encontrado sem cabeça em um local de difícil acesso, na área de mata no bairro Colinas do Sul, no dia 11 de dezembro, perto de onde foi visto pela última vez.

Bryan, era Autista, sofria de esquizofrenia e fazia tratamento psiquiátrico, razão pela qual recebia beneficio do INSS, conforme informações recebida por nossa reportagem, dias antes do seu desparecimento, havia contraído um empréstimo consignado no banco do Brasil da Ufpb, que foi articulado por uma amiga, sem o conhecimento dos familiares.

O pai que mora no Maranhão, disse que Bryan era um rapaz de família, amado por todos e que a motivação de sua morte pode ter sido por causo desse empréstimo e que a Policia deve investigar a fundo todos os possíveis envolvidos, principalmente, descobrir a mulher que articulou o empréstimo, além de ouvir as pessoas próximas a Bryan.

O senhor Marcus Allan da Silva, pai da vitima, pede encarecidamente a quem tiver informações sobre os possíveis autores desse crime bárbaro, avisa a policia através do 197, que será mantido no mais absoluto sigilo.

LEIA TAMBÉM: Corpo de homem é encontrado sem cabeça em área de mata no Colinas do Sul, em João Pessoa

Da redação

Postar um comentário

0 Comentários